AUMENTO IMPOSTO DE RENDA 2016

AUMENTO IMPOSTO DE RENDA 2016

Imposto de Renda 2016

Começa a corrida do Governo para conseguir aumentar impostos de diversas formas e uma forma encontrada foi de aumentar o imposto de renda sobre o Ganho de capital que era de 15% e que será de 20%.

Mas para que o Governo consiga arrecadar em 2016, o mesmo terá que mudar o imposto até dezembro 2015, se não conseguir as mudanças só terão efeito para 2017, pois a legislação do IR exige que a medida provisória seja convertida em lei e sancionada no ano anterior à mudança.

Este tributo incide sobre ganhos de capital na venda de bens como imóveis, terrenos e joias e o aumento faz parte do pacote anunciado nesta segunda ­feira, 14, pelo governo para aumentar as receitas em 2016.
A proposta apresentada é que a alíquota do imposto de renda sobre ganhos seja progressiva ­ quanto maior o lucro, maior o porcentual. Atualmente, é cobrado 15% do tributo sobre o ganho obtido nas transações. A ideia é que essa alíquota valha apenas para ganhos de até R$ 1 milhão. Entre R$ 1 milhão e R$ 5 milhões, o porcentual passará para 20%. De R$ 5 milhões a R$ 20 milhões, a alíquota passa para 25% e, acima de 20 milhões, para 30%. Com isso, o reforço na arrecadação esperado para o ano que vem é de R$ 2 bilhões.
Com a medida, o governo quer tributar “Os privilégiados”. A avaliação é de que as primeiras medidas do anúncio fiscal atingiam a população de renda mais baixa, como as mudanças nas regras do seguro desemprego e o pagamento de pensão por morte.
Agora, o governo quer que o ajuste atinja os mais ricos, por isso a criação de uma escada na cobrança do imposto sobre ganhos. Também foi estudada ­ e ainda está na gaveta ­ um aumento também no Imposto de Renda sobre rendimentos. A ideia é criar uma nova faixa acima do teto de 27,5%, que poderia chegar a 35% e atingiria apenas quem ganhar acima de R$ 20 mil.
Isenções
O governo manterá as isenções do pagamento de IRPF sobre ganho de capital já existentes na lei atual. São isentos, por exemplo, rendimentos obtidos na venda do único imóvel do contribuinte em operações de até R$ 440 mil. O tributo também não é cobrado quando um imóvel é vendido e outro comprado em até 180 dias.

Precisando de um Contador para fazer sua declaração de imposto de Renda?

 

 

Formação de Preço do Produto Na Venda – Com ICMS, PIS, COFINS – Empresas Lucro Presumido

Formação de Preço do Produto Na Venda – Com ICMS, PIS, COFINS – Empresas Lucro Presumido

Hoje vou estar expondo um tema muito interessante sobre a formação de preços de suas mercadorias repassando os impostos para a contribuinte final.

Vamos lá primeiramente vou colocar um exemplo de uma empresa que vende Roupas e esta no regime tributário do Lucro Presumido. Seu Nome fictício é Bonita Roupas.

Esta compra roupas da Empresa Fornecedor de Roupas LTDA, hoje ela comprou R$ 10.000,00 em roupas.

O que gerou um credito de ICMS de R$ 1.800,00 aliquota de 18% estado de SP

Neste caso à somente o credito de ICMS para a Empresa Bonita Roupas. ou Seja um Imposto que a empresa Bonita Roupas Não paga mas sim tem um Credito. e a Empresa fornecedor terá pagar estes impostos.

Agora Vamos Separar e calcular por quanto iremos vender esta mercadoria que acabamos de Comprar da Empresa Fornecedor de Roupas LTDA.

Primeiramente precisamos tirar o nosso credito de ICMS do Valor da mercadoria para encontrarmos o valor do produto sem impostos.

R$ 10.000,00-18%= R$ 8.200,00 Valor das mercadorias Compradas sem impostos

Sobre este valor você deve adicionar as despesas(Se quiser saber mais sobre estas despesas deixe seu comentário. E então faremos uma postagem especialmente para elas)

Despesas Financeiras = R$ 130,00

Despesas Comerciais = R$ 150,00

Despesas Administrativas = R$  200,00

e Outras Despesas = R$ 100,00

Valor Total do Produto com as despesas = R$ 8.200,00+130,00+150,00+200,00+100 = R$ 8.780,00

Você deve adicionar agora a sua porcentagem de Margem de Lucro Vamos colocar 20%

Total do Produto sem os impostos = 8.780,00 + 20% = R$ 10.536,00

Agora iremos adicionar os impostos R$ 10.536,00+18%+0,65%+3%= R$ 12.817,04

Então você venderá estas mesmas mercadorias que comprou por R$ 10.000,00 por R$ 12.817,04.

Qualquer Dúvida entre em contato conosco 019 3367-2872 ou 3368-2872

 

 

 

 

 

 

Faça Aqui Sua Declaração de Imposto de Renda 2014

Faça Aqui Sua Declaração de Imposto de Renda 2014

 

Este ano estamos com uma campanha que garante 10% de desconto na Declaração, este

desconto é exclusivo para visitantes do site e do Blog da Empresa.

Ligue Hoje para o telefone (19)3367-2872 ou 3368-2872

Se preferir [button link=”http://wgeandradecontabilidade.com/orcamento/” size=”large” target=”self”]Clique aquii[/button] e Entre em Contato via e-mail Nosso Horário de Atendimento Online é das 8:00 às 18:00 de Seg. à Sexta-feira.
Envie Já o Seu Pedido de  orçamento!

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem

Tag

Imposto de Renda  2014 em Campinas, Como Fazer, Onde Declarar, quais documentos são necessários, prazo final da declaração do imposto de renda 2014, contadores, escritório de contabilidade, Quem deve Declarar, Escritório de Contabilidade.

 

Sem Contadores o Brasil também para!

Sem contadores o Brasil também pára!
Por Luiz Antonio Pinheiro

Certo dia, já cansado do trabalho, ainda faltava entregar umas declarações pela internet. De tanto cansaço, debrucei sobre a mesa do computador e sem querer, adormeci. Em pouco tempo comecei a sonhar e em meio a tantos papéis e obrigações do dia a dia, sonhei que todos nós contadores do Brasil, de forma unânime, resolvemos tirar umas férias por tempo indeterminado. Logo, a notícia virou destaque em todos os jornais, rádios e TVs do Brasil. A notícia pegou todo mundo de surpresa. O país ficou um caos. Nem eu mesmo imaginaria que aquela notícia poderia causar tanto efeito. E em meio a tanta confusão, os dias foram se passando, e agravando cada vez mais a situação do país.

De seu gabinete, o Presidente da República, com olhar preocupante perguntava aos seus ministros o quanto a União tinha em Caixa e qual era o Superávit Primário. – Mas presidente, o pessoal da contabilidade ainda não nos passou os dados, diziam os ministros apavorados. Não contente com a resposta, ele queria saber também como andavam os lucros das empresas financiadas pelo BNDES, e ligou para o presidente do banco. Porém o presidente do banco disse que seria impossível fornecer os dados, pois os contadores ainda não tinham voltado ao trabalho. Sendo assim, nenhuma empresa tinha apurado o resultado de suas operações. Bem perto dali, no Ministério da Fazenda, todos estavam atônitos, não sabiam ainda em quanto tinha fechado o PIB brasileiro no mês anterior. Lá na Receita Federal, o pessoal ficou desesperado, pois ainda não havia caído nenhum centavo na conta do “Leão” e ele ficou ainda mais feroz. Não houve o recolhimento de nenhum tributo, o motivo: os contadores não apuraram o Faturamento das empresas e nem preencheram os DARFs para recolhimento, sem contar que nenhuma declaração foi recebida pela base de dados, ficando impossível cruzar os dados e identificar possíveis fraudes. A mesma coisa aconteceu na Previdência Social, e lá a coisa foi ainda pior, pois era início de mês e não houve o recolhimento do INSS. Fato semelhante aconteceu com o FGTS.

Também nos estados e nas prefeituras todos reclamavam, o dinheiro do ICMS, e do ISS respectivamente. Muitos Serviços paralisaram devido ao fato das despesas não terem sido empenhadas. Além do que, o repasse dos impostos ficou prejudicado. Faltavam contadores para fazer o serviço. Ninguém sabia ao certo qual era a arrecadação com os tributos. E tudo isto porque nós contadores resolvemos paralisar nossos Serviços e tirarmos uns dias de folga.

Até mesmo o Judiciário sofreu com a paralisação dos contadores. Não havia peritos contadores, muitos processos ficaram parados à espera de algum perito para efetuar os cálculos judiciais.

Nas empresas, o caso não foi diferente. Pilhas e pilhas de notas fiscais se acumulavam sobre a mesa, à espera que alguém as registrassem no sistema, e só mesmo o contador para efetuar os lançamentos e registros na contabilidade, entender aquele monte de códigos CFOPs,CSTs ,o método das partidas dobradas e ainda lançar de forma correta no SPED? Muitas empresas simplesmente cancelaram suas vendas, pois ficou difícil sem o contador, entender o emaranhado de Resoluções, protocolos e alíquotas envolvendo seus produtos. Nas indústrias, as empresas não sabiam mais como alocar seus custos, nem mesmo sabiam seu custo de Produção e nem tão pouco o Preço de venda. Análise de balanço, nem pensar, como fazer se os dados estavam desatualizados? As análises não contemplavam as situações reais das empresas. Assim, muitas empresas engavetaram seus projetos de investimentos, sem dados contábeis exatos, não ousavam arriscar em novos projetos sem terem um norteamento do pessoal da contabilidade. Para as pequenas empresas, que dependiam do contador para tudo, a situação era mais alarmante.

Na Bolsa de Valores, sem balanços auditados, as empresas não puderam ofertar ações em bolsa. Sem a confiabilidade das informações contábeis tornou impossível aos investidores identificar um Investimento rentável e seguro. As grandes empresas perderam milhares e milhares de dólares.

E, após tamanha confusão, ufa! Acordei e respirei mais aliviado! Tinha sido só um sonho. Ainda bem que foi só um sonho.

Este sonho, apesar de parecer tolo e ingênuo, nos dá uma idéia de como o país pode ser bem complicado sem o trabalho de nós contadores. Infelizmente, a Sociedade ainda não nos dá o justo valor que merecemos. É lastimável saber que tem gente acreditando que o avanço da Tecnologia vai dispensar o trabalho do contador, e que os sistemas eletrônicos farão nosso trabalho. Mas afinal, quem irá desenvolver os sistemas contábeis? Quem veio primeiro? Os sistemas ou a contabilidade? A contabilidade veio primeiro e foi gradativamente se adaptando às inovações tecnológicas.

Jamais uma profissão tão antiga e importante para a humanidade será substituída pela tecnologia. Pelo contrário, a Tecnologia e a contabilidade andam juntas, elas se complementam, atingindo a perfeição, a rapidez, a confiabilidade e a transparência das informações de forma inigualável, e que o mundo globalizado busca e necessita.

Assim, me arrisco em afirmar que: Sem contadores, o Brasil também pára.
Fonte: Portal Contábil